A importância das árvores no nosso dia a dia e como preservar.

A árvore símbolo de Campos do Jordão é a Araucária, o famoso pinheiro paranaense de onde vem o pinhão.

por: Alan Germano ( 1 mês atrás ) - Atualizado: 21/09/2021 18:42

por Keisy Santos

Certamente quem vem para Campos do Jordão se deslumbra não somente com a sua arquitetura, culinária, história etc. Mas, principalmente, pela sua belíssima paisagem, e, por que não dizer também por suas árvores?

A que mais se destaca, sem sombras de dúvidas, são os plátanos que estão presentes em toda a avenida.

Na época do outono, as folhas desfolham e dão um efeito ainda mais especial para quem sonha em fazer um ensaio fotográfico aqui ou tirar fotos com elas. (Embora que com a paisagem que temos, ensaios fotográficos, são uma boa dica em qualquer estação. Porém, sabia que sua tonalidade muda a cada estação? Na primavera as folhas ficam verdes, no verão as folhas ficam amarelas, no outono como já mencionado as folhas caem e desfolham e no inverno os galhos ficam todos secos.

Os plátanos presentes em Campos do Jordão não são nativos e nem são a árvore símbolo. Essa árvore que se alastra pelas avenidas, vieram da Argentina, mas tem também na Europa e no Canadá.

 A árvore símbolo de Campos do Jordão é a Araucária, o famoso pinheiro paranaense de onde vem o pinhão (semente comestível da Araucária, muito utilizada em nossa gastronomia, o tempo de sua colheita é aproximadamente nos meses de abril e maio. Com o pinhão cozido fazemos: bolo de pinhão, farofa de pinhão, arroz com pinhão etc.).

Em 1996, houve na cidade um projeto chamado Projeto Meninos Ecológicos-PME, foi um projeto de cunho socioambiental do parque estadual Campos do Jordão, Horto florestal, em parceria com a empresa de energia Elektro. No ano de 2007, o PME produziu 105.262 mudas, entre nativa, exóticas, ornamentais e medicinais.

As mudas produzidas eram, em menor escala, destinadas à venda e, a grande maioria, plantadas em reflorestamentos e doadas. O projeto ocorreu até o ano de 2009, o que a meu ver, é uma pena pois é um projeto que deveria ser contínuo já que incentiva as crianças a cuidarem, preservarem e amarem a natureza e o meio ambiente como um todo. A araucária, infelizmente é uma árvore que está em extinção, há várias no município que datam aproximadamente 500 anos, ou seja, estão aqui desde a época do descobrimento.

Dia 21 de Setembro é o Dia da Árvore, essa data e a leitura recente do livro: Timóteo e as árvores de Adriana Jungbluth foi a minha maior inspiração/motivação para escrever esse texto. O livro infantil de Adriana nos mostra que mesmo os seres mais pequenos são capazes de fazer a diferença para salvar um bosque e proteger o meio ambiente, então querido leitor, nesse momento que estamos passando não somente pela pandemia, mas pelas queimadas, desmatamento como um todo, deixo a vocês um questionamento: Qual a importância da árvore e do meio ambiente para você? E qual a diferença, por menor que seja, que eu posso fazer para continuar mantendo as árvores que são tão importantes para a nossa vida?

E para quem ficou curioso para saber sobre a leitura de Timóteo e as árvores você pode adquirir o livro diretamente com a escritora Adriana Jungbluth através de suas redes sociais.

No Instagram dela é: @jungbluthadriana e no Facebook Adriana Jungbluth.

Abaixo deixo a sinopse do livro:

Timóteo é uma pequena muda de ipê que vive no bosque de Arvorelândia com sua família. Tudo ia bem, até que um dia começam a ouvir barulhos estranhos e se dão conta de que árvores estão sendo derrubadas.

A pequena muda decide agir e quebra a regra número 1 das árvores: nunca conversar com os humanos. Ele pede ajuda a Zeca, um garoto tímido de dez anos e juntos partem em uma aventura para salvar o bosque.

Ane, a garota estranha da escola, os atrapalha em diversos momentos e tudo se complica ainda mais quando descobrem que ela é filha de Osmarito, o dono da construtora que quer destruir o bosque.

Ao longo desta jornada, Timóteo e Zeca vão aprender que mesmo o menor dos seres pode fazer a diferença!