Estrada de Ferro de Campos do Jordão completa 106 anos de História

Em 28 de novembro de 1910 o Governo do Estado de São Paulo autorizou a construção da EFCJ, com concessão dos serviços por 60 anos.

por: Alan Germano ( 12 meses atrás ) - Atualizado: 14/11/2020 20:15

Neste domingo (15), a Estrada de Ferro de Campos do Jordão completa 106 de história. A Ferrovia surgiu como via para tratamento de epidemia da época – Inaugurada em 15 de novembro de 1914, a Estrada de Ferro Campos do Jordão nasceu da busca de um melhor tratamento para a tuberculose, doença que causou epidemias no país principalmente no século XIX e início do século XX. Diferente da maioria das ferrovias, criadas com objetivos comerciais ou de expansão territorial.

Da mesma forma que vemos na pandemia atual diversos profissionais pesquisando um melhor tratamento para a Covid-19, na década de 1910 cientistas viam no clima de Campos do Jordão qualidades terapêuticas que favoreciam a recuperação de pessoas que sofriam com a tuberculose e outras doenças pulmonares.

A ferrovia, ligando Pindamonhangaba a Campos do Jordão, foi idealizada pelos médicos sanitaristas Emílio Ribas e Victor Godinho e sua construção iniciou em 1912. Antes, a travessia do Vale do Paraíba para o alto da Serra da Mantiqueira era realizada a pé ou sobre animais através de estradas precárias, praticamente como trilhas. A inauguração da via férrea proporcionou transporte para esses enfermos de forma mais rápida e confortável, além de favorecer o desenvolvimento das localidades no seu entorno, com transporte de cargas e de outros passageiros.

Resumo histórico

Em 28 de novembro de 1910 o Governo do Estado de São Paulo autorizou a construção da EFCJ, com concessão dos serviços por 60 anos. A obra foi iniciada em 1912 e, em tempo recorde para a época, foi inaugurada em 15 de novembro de 1914. Nesse mesmo ano, a sociedade concessionária da EFCJ passou a apresentar dificuldades financeiras, em grande parte devido à eclosão da Primeira Guerra Mundial, que dificultou acesso a linhas de crédito para empréstimos e financiamentos. Os acionistas da ferrovia, por essa razão, autorizaram que o Governo do Estado de São Paulo tomasse posse da EFCJ, o que foi efetivado em 1916.

Os primeiros trens que trafegaram na ferrovia eram a vapor, substituídos por trens a gasolina em 1916 e, posteriormente, pelos elétricos, em 1924.

A estrada de ferro foi concebida como via de acesso aos sanatórios estabelecidos em Campos do Jordão para contribuir na recuperação das vítimas de doenças pulmonares.

A partir de meados da primeira metade da década de 1920, com o crescimento de Campos do Jordão, a ferrovia foi se consolidando como principal meio de acesso à região, atendendo às necessidades de seus moradores e visitantes, transportando não apenas passageiros, mas cargas e também veículos, dada a precariedade das vias de acesso rodoviário que conectavam Pindamonhangaba ao alto da serra. O transporte de cargas e veículos foi desativado em 1977, com a inauguração da nova rodovia de acesso a Campos do Jordão.

Outro importante papel que a EFCJ exerceu foi nas comunicações regionais, por meio da operação do serviço telefônico. Implantado em 1917, inicialmente ele era voltado para as necessidades do controle do tráfego, mas logo passou a atender também moradores dos municípios ao redor da ferrovia. Em 1959 foi adotado o serviço automático, atendendo aos municípios de Campos do Jordão, São Bento do Sapucaí, Santo Antônio do Pinhal e ao distrito de Monteiro Lobato.

A EFCJ operou o serviço telefônico da região até novembro de 1971, quando esse foi transferido ao Governo do Estado de São Paulo, que passou a operá-lo por meio da Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo.

Dada a excelência do clima de Campos do Jordão, já na década de 1940 a cidade começa a se caracterizar também como local de recreação e turismo, graças à instalação de grandes hotéis com serviço de inspiração europeia. Também intelectuais e artistas adotam Campos do Jordão como local de longas temporadas, a exemplo do pintor Lasar Segall, que deixou diversos trabalhos inspirados nas belas paisagens e panoramas observados das montanhas locais

A partir da década de 1970, Campos do Jordão transforma-se de estação de cura para um dos mais importantes polos turísticos do país. E a EFCJ acompanha essas transformações, diversificando suas atividades com a implantação em 1970 do seu teleférico, o primeiro a entrar em operação no país, e dos parques de turismo Capivari e Reino das Águas Claras.